sebrae 728x90
arapiraca nov e dez
Gov. TEM,TEM,TEM - abril

Dois planetas anões podem abrigar oceanos subterrâneos

Observações do Telescópio Espacial James Webb (JWST) revelaram que dois planetas anões, chamados Éris e Makemake, podem ter atividades geotérmicas o suficiente para sustentarem oceanos de água líquida abaixo de suas superfícies congeladas.

Por Adeilson em 21/02/2024 às 19:02:42
Foto: Reprodução internet

Foto: Reprodução internet

Observações do Telescópio Espacial James Webb (JWST) revelaram que dois planetas anões, chamados Éris e Makemake, podem ter atividades geotérmicas o suficiente para sustentarem oceanos de água líquida abaixo de suas superfícies congeladas. A descoberta pode mudar não só o que sabemos sobre esses objetos, como, também, trazer novas esperanças para a possibilidade de vida em Titã, a maior Lua de Saturno.

Éris

  • Eris é um mundo gelado encontrado nos confins do Cinturão de Kuiper, para além de Plutão;
  • Ele foi descoberto em janeiro de 2005, tendo 44 quilômetros a menos que Plutão, mas 25% mais massa;
  • Atualmente, o planeta anão está localizado a cerca de 14,4 bilhões de quilômetros de distância do Sol.

Leia mais:

Makemake

  • Makemake foi descoberto dois meses depois de Éris e também está localizado no Cinturão de Kuiper;
  • Ele possui cerca de 1,43 mil quilômetros de diâmetro, o que é quase mil quilômetros a menos que Plutão e Éris;
  • Apesar de estar além de Plutão, atualmente ele está mais perto do Sol do que Éris, a cerca de 7,7 bilhões de quilômetros do Sol;

Por estarem muito distantes no Sistema Solar, pouco se sabe sobre esses planetas anões. No entanto, agora, um estudo usando o James Webb lançou luz sobre a composição do metano congelado em suas superfícies.

Isótopos de hidrogênio na composição do metano

O metano é formado por combinação de átomos de carbono e hidrogênio. E esses átomos, mesmo que possuam o mesmo número de prótons, podem conter diferentes números de nêutrons, ou isótopos.

Se o metano presente na superfície desses mundos fosse o disponível no disco protoplanetário em torno do Sol, há 4,5 bilhões de anos, eles teriam razão isotópica entre o hidrogênio regular e o deutério semelhante a de cometas. No entanto, as medições do JWST apontaram algo diferente, indicando que o metano pode ter surgido depois nos planetas anões.

A relação deutério/hidrogênio aponta para origens geoquímicas do metano produzido no interior profundo. Nossos dados sugerem temperaturas elevadas nos núcleos rochosos desses mundos, para que o metano possa ser cozinhado. O nitrogênio molecular também poderia ser produzido e vemos isso em Éris.

Christopher Glein, geoquímico autor do estudo, em comunicado

Assim, o metano produzido sob as condições de temperatura e pressão nas profundezas do núcleo desses planetas anões provavelmente chegou à superfície por meio da liberação de gases ou atividades criovulcânicas. Essas temperaturas quentes podem acabar sugerindo fontes potenciais de água líquida abaixo da superfície congelada de metano.

Metano nos planetas-anões e habitabilidade de Titã

Uma das melhores partes dessa descoberta é que os modelos utilizados para investigar a formação e a liberação de metano na superfície dos planetas anões também pode ser aplicada em Titã, maior lua de Saturno.

Recentemente, um estudo descartou a habitabilidade do satélite natural, quando se descobriu que o metano e outras moléculas orgânicas abundantes na superfície de Titã não chegam ao seu oceano subterrâneo.

No entanto, se a atividade geotérmica de Titã puder originar metano e outros gases a partir de seus núcleos, como Éris e Makemake. Os ingredientes orgânicos essenciais para a vida podem vir do núcleo da lua e não de sua superfície.

Fonte: Olhardigital

Comunicar erro
banner tvsampaio 728x90 - local 6
CAMPOS
Detran 20-27.10
CESMAC 50 - NOV2023
Clinica Sesi 25.03

Comentários

banner TAVARES - 728X90 - 2
banner tv sampaio - local 3
p.contas GOV