sebrae 728x90
Maio Amerelo Detran
Arapiraca - 17.05-31.05
Gov institucional 22.05 - 31.05

Conheça os bilionários donos dos times que se enfrentam nas finais da NBA

  Depois de o Boston Celtics derrotar o Indiana Pacers em sua quadra e avançar para sua segunda final da NBA em três anos, o proprietário do time, Wyc Grousbeck, reservou um momento para reconhecer uma lenda da franquia que havia morrido naquele dia.

Por Redação em 09/06/2024 às 15:13:42

 

Depois de o Boston Celtics derrotar o Indiana Pacers em sua quadra e avançar para sua segunda final da NBA em três anos, o proprietário do time, Wyc Grousbeck, reservou um momento para reconhecer uma lenda da franquia que havia morrido naquele dia. "Tudo o que consigo pensar agora é que perdemos um grande Celtic hoje, Bill Walton, um dos maiores de todos os tempos", disse o CEO do Celtics, de 61 anos, ao restante da multidão de Indianápolis. "Isso é dedicado a Bill."

Grousbeck tinha apenas vinte e poucos anos quando o ressurgimento de Walton ajudou o Celtics de 1986 a vencer seu 16º título da NBA, mas sua paixão pela franquia remonta muito antes de ele liderar um grupo de investidores que comprou o time por US$ 360 milhões em 2002.

O nativo de Boston torceu pelos Celtics durante toda a sua vida e, quando ele e sua família voltaram para a cidade na década de 1990, Grousbeck comprou ingressos para a temporada e se lembra de levar sua filha aos jogos.

  • Siga o canal da Forbes e de Forbes Money no WhatsApp e receba as principais notícias sobre negócios, carreira, tecnologia e estilo de vida

Ilustração: Stephanie Jones/Forbes Fotos: Getty Images

Desde 1998, os times da NBA valorizaram, em média, cerca de 2.200%. O Mavericks e o Celtics estão entre os 10 times que mais cresceram no período

Depois que ele assumiu o controle do time, alguns anos depois, seu objetivo principal não era ficar mais rico – embora o Celtics seja agora o quarto time mais valioso da NBA. "Vocês estão vindo por amor e seremos pagos com diversão", disse ele a seus colegas proprietários. "Esse era o único objetivo: ganhar um campeonato, não ganhar dinheiro."

O Celtics fez exatamente isso, ganhando o título em 2008, e agora a equipe pode adicionar uma 18ª vitória à sua ilustre história. Na última quinta-feira (6), venceu o Dallas Mavericks no primeiro de sete jogos das finais da NBA de 2024.

E mesmo que ganhar muito dinheiro não fosse a intenção, isso aconteceu. Os Celtics são o 18º time mais lucrativo do mundo dos esportes, gerando cerca de US$ 269 milhões em receita operacional combinada nas últimas três temporadas. Segundo estimativas da Forbes, o Boston Celtics vale agora US$ 4,7 bilhões, incluindo dívidas, um aumento de cerca de 1.200% em relação ao preço que Grousbeck e os seus sócios pagaram. Esse crescimento exponencial também se traduziu numa riqueza considerável; a Forbes estima que a família de Irving Grousbeck, pai de Wyc, tem um patrimônio de US$ 1,8 bilhão.

Boom da NBA

Eles não são os únicos a enriquecer com o rápido crescimento da NBA. Mark Cuban comprou o Dallas Mavericks por US$ 280 milhões em 2000 e, em outubro passado, a Forbes avaliou a franquia em US$ 4,5 bilhões, três posições atrás do Celtics.

O bilionário de 65 anos supostamente vendeu sua participação por um preço consideravelmente mais baixo no ano passado para Miriam Adelson, viúva do presidente e CEO da Las Vegas Sands, Sheldon Adelson, e sua família, com uma avaliação de US$ 3,5 bilhões. A venda dos Mavericks ainda é, sem dúvida, uma bênção para a fortuna de US$ 5,4 bilhões de Cuban e, em uma reviravolta única, ele permanece no controle das operações de basquete por enquanto.

Desde 1998, quando a Forbes começou a acompanhar os valores das franquias esportivas, os times da NBA valorizaram, em média, cerca de 2.200%. O Celtics e o Mavericks estão entre os 10 times que mais cresceram nesse período. E independentemente de qual equipe erguer o troféu Larry O'Brien este ano, esse crescimento não demonstra sinais de desaceleração. A NBA está supostamente fechando um novo conjunto de acordos de direitos de mídia que pagaria à liga US$ 76 bilhões em 11 anos, mais do dobro da sua taxa média anual anterior.

"Eu meio que estou rindo do destino, porque tudo foi tão valorizado," diz Grousbeck. "Quem saberia? Eu não. Eu nunca diria que sabia que os times iam se valorizar assim."

Leia também:

Quem são os bilionários donos dos times nas finais da NBA de 2024

Boston Celtics

Wyc Grousbeck

Wyc Grousbeck liderou um grupo de investidores que comprou o Boston Celtics, hoje avaliado em US$ 4,7 bilhões, por US$ 360 milhões em 2002

Para Grousbeck, a ideia de liderar uma equipe começou com seu pai. Irving, um empresário de sucesso, fundou a Continental Cablevision em 1963 e fundiu-a com a empresa de telecomunicações US West 33 anos depois. Na década de 1980, o Grousbeck mais velho pensou em comprar o time de beisebol Boston Red Sox, mas, como diz seu filho: "Ele nunca conseguiu um acordo que fizesse sentido para ele".

A essa altura, Wyc havia embarcado em seu próprio caminho empreendedor. A faculdade de direito o levou para a Costa Oeste dos EUA, mas ele abandonou seus dias como advogado corporativo por um MBA em Stanford e uma carreira como investidor de venture capital. Ele começou em um momento em que a internet estava apenas tomando forma e obteve grandes vitórias com empresas como a varejista digital eToys.com, o mecanismo de busca e portal Lycos e a empresa de tecnologia médica Conor Medsystems.

Com algum capital em seu nome, Grousbeck encontrou uma ideia nova em um setor totalmente diferente. Depois de mudar sua família de volta para Boston na década de 1990, ele imediatamente se deleitou com o rico cenário esportivo da cidade – além de comprar ingressos para a temporada dos Celtics, ele também tinha vagas para os New England Patriots, Boston Red Sox e Bruins. O basquete provou ser uma oportunidade única, no entanto. Os Celtics, ele lembra, estavam enchendo apenas cerca de metade de sua arena em cada jogo, e o time era parcialmente propriedade de uma sociedade limitada negociada na Bolsa de Valores de Nova York, oferecendo uma visão clara de um negócio com fluxo de caixa positivo.

Confiante na visão que tinha de melhorar o time, Grousbeck se encontrou com o então proprietário do Celtics, Paul Gaston, em sua casa em Manhattan. Dez minutos depois, saiu com um acordo selado por um aperto de mão. "Qualquer pessoa em Wall Street poderia ter comprado essa equipe porque ela era pública, estava ali", diz Grousbeck. "Mas fui eu quem fiz a ligação e marquei o encontro, e ele colocou o que chamou de um número maluco, e eu simplesmente aceitei na hora e fiz funcionar."

Esse valor era de US$ 360 milhões, e Grousbeck não tinha nem perto dessa quantia. Com três meses e meio para arrecadar o dinheiro, ele hipotecou sua casa, enviou um depósito não reembolsável de oito dígitos e pegou emprestado 50% do preço de venda. Para garantir o equilíbrio, Grousbeck reuniu um grupo de mais de 20 sócios, incluindo seu pai, o copresidente da Bain Capital, Stephen Pagliuca, e o cofundador da TPG Capital, David Bonderman. O grupo, Boston Basketball Partners, concluiu a venda em 2002.

Grousbeck assumiu as rédeas como dirigente do Celtics, posição exigida pela NBA para possuir pelo menos 15% de uma franquia. Mas ter uma ampla gama de proprietários beneficiou o time. Pagliuca, da Bain, por exemplo, foi fundamental para trazer o ex-grande jogador do Celtics, Danny Ainge, de volta à franquia como diretor de operações de basquete. Sob o comando do hipercompetitivo Ainge, o Celtics adquiriu os futuros membros do Hall da Fama Kevin Garnett e Ray Allen para formar dupla com o jogador de longa data da franquia Paul Pierce. A equipe venceu o título da NBA em 2008, um momento em que Grousbeck diz que pensa "todos os dias", e chegou aos playoffs em 15 dos 16 anos desde então.

O basquete também abriu as portas para outro empreendimento de Grousbeck. Em 2019, ele lançou a Cincoro Tequila ao lado de sua esposa, Emilia Fazzalari, da coproprietária do Los Angeles Lakers, Jeanie Buss, do coproprietário do Milwaukee Bucks, Wes Edens, e de um membro do Hall da Fama do basquete que lhes custou alguns campeonatos, Michael Jordan.

A Cincoro vendeu cerca de dois milhões de garrafas nos últimos cinco anos, de acordo com Grousbeck, e recentemente adicionou alguns novos investidores, incluindo os lendários atletas Serena Williams, Derek Jeter e Michael Strahan.

A história de vida de Grousbeck é também a inspiração para a série da NBC "Extended Family" (produzida por seu amigo Tom Werner, coproprietário do Red Sox), estrelada por Donald Faison como o dono do Boston Celtics e Jon Cryer como o ex-marido de sua esposa, que mora com eles.

Dallas Mavericks

Mark Cuban

Mark Cuban comprou os Mavericks em 2000, admitindo que nem sequer negociou

Assim como o dono do Celtics, Mark Cuban sempre teve uma paixão pelo basquete. Ele se formou na Universidade de Indiana em 1981, mesmo ano em que o lendário técnico Bob Knight venceu seu segundo campeonato nacional com os Hoosiers. Como proprietário do Dallas Mavericks, Cuban conquistou a reputação de um superfã, sentando na quadra, torcendo por seu time e ocasionalmente recebendo uma falta técnica.

Quando Cuban comprou a franquia por US$ 280 milhões em 2000, ele já havia ficado bastante rico. Filho de pais da classe trabalhadora, ele fundou a revendedora de software MicroSolutions em 1983 e vendeu a empresa sete anos depois por US$ 6 milhões. "No dia em que vendi, tirei meu relógio e disse que nunca mais iria usar relógio porque nunca mais quero estar no horário de ninguém", disse Cuban recentemente. Teve uma breve aposentadoria, mas que não durou muito. Em 1995, Cuban uniu forças com um velho amigo de faculdade, Todd Wagner, e comprou a Broadcast.com, então chamada AudioNet, que explorava a ideia de dar aos fãs acesso à cobertura passo a passo em locais fora do mercado.

A empresa estava enfrentando dificuldades, incapaz de encontrar o meio certo e até mesmo experimentou o rádio de ondas curtas antes de Cuban e Wagner a levarem para a internet. Com o boom da bolha da internet, a Broadcast.com teve o melhor IPO de todos os tempos na época, ultrapassando uma capitalização de mercado de US$ 1 bilhão no primeiro dia de negociação. Um ano depois, em 1999, o Yahoo comprou a empresa por US$ 5.7 bilhões (e então encerrou o site em 2002), rendendo a Cuban um pagamento estimado de US$ 1.1 bilhão após impostos.

Não demorou muito para que Cuban começasse a gastar sua nova fortuna. “Eu tinha 40, 41 anos [e] jogava basquete casualmente de três a quatro vezes por semana,” disse ele em um podcast. “Então, a ideia de ir e acertar arremessos com [Steve] Nash, Dirk [Nowitzki], [Michael] Finley e entrar em jogadas e não me envergonhar completamente naquela época, isso era como um sonho.” Cuban comprou os Mavericks do desenvolvedor imobiliário do Texas, Ross Perot Jr., em 2000, admitindo que nem sequer negociou.

Sob o seu comando, os Mavericks tiveram muito sucesso na quadra. Eles se classificaram para os playoffs em 19 das últimas 25 temporadas e derrotaram LeBron James e o Miami Heat nas finais da NBA de 2011. No entanto, seu mandato não foi isento de controvérsias. Em 2018, a "Sports Illustrated" conversou com mais de uma dúzia de funcionários e ex-funcionários em uma investigação detalhada que expôs um ambiente de trabalho hostil na organização dos Mavericks. “Está errado. É abominável. Não é uma situação que toleramos", disse Cuban em resposta à revista. Embora alegasse não ter conhecimento do escândalo, ele assumiu a responsabilidade e mais tarde contratou a ex-diretora de diversidade da AT&T, Cynthia Marshall, como CEO para estruturar a organização.

Mas em novembro passado, o tempo de Cuban como proprietário majoritário chegou ao fim quando Miriam Adelson e sua família compraram 68% dos Mavericks por uma avaliação relatada de US$ 3,5 bilhões, com a opção de comprar mais. Para financiar o negócio, Adelson vendeu cerca de US$ 2 bilhões em ações da Las Vegas Sands Corp. Seu genro, Patrick Dumont, agora atua como administrador da equipe, além de exercer a função como diretor de operações do cassino e resort da empresa.

Miriam Adelson

Bilionária Miriam Adelson, viúva do presidente e CEO da Las Vegas Sands, Sheldon Adelson

Por enquanto, Cuban mantém uma participação de 27% no time e controla as decisões do basquete. Quando questionado sobre o motivo de ter vendido o Dallas Mavericks, Cuban destacou os fortes vínculos de seus novos sócios com a indústria de cassinos e hotéis, já que o Texas discute a legalização do jogo e das apostas esportivas há vários anos. “Eles não são do basquete, eu não sou do ramo imobiliário. É por isso que fiz isso”, disse o co-apresentador do Shark Tank ao Dallas Morning News.

A pressão de Adelson pela legalização do jogo no estado do Texas não é segredo para ninguém, e um terreno adicional comprado de Cuban em frente à arena dos Mavericks, o American Airlines Center, sugere aspirações para um cassino e resort em Dallas. Ela doou mais de US$ 2 milhões a um comitê de ação política focado no Texas em 2022, bem como US$ 1 milhão diretamente ao governador do estado, Greg Abbott, de acordo com a NBC News. Com um patrimônio líquido de US$ 29,7 bilhões, Adelson é a segunda proprietária mais rica da NBA, atrás apenas do dono do Los Angeles Clippers, Steve Ballmer, com um patrimônio estimado em US$ 122,4 bilhões.

Fonte: Forbes Brasil

Comunicar erro
banner tvsampaio 728x90 - local 6
CAMPOS
Detran 20-27.10
CESMAC 2024.2 728x90 l1

Comentários

banner TAVARES - 728X90 - 2
banner tv sampaio - local 3
p.contas GOV